segunda-feira, 16 de agosto de 2010

CAPITALISMOxCRISTIANISMO Por Heitor Reis

Participava eu de uma manifestação, ocorrida no templo católico dedicado à São José, no centro de Belo Horizonte. Nossa luta é contra a transposição do Rio São Francisco e à favor de Dom Flávio Cappio, que, na ocasião, realizava um jejum, há mais de vinte dias, em favor desta causa. Liberada a palavra para os movimentos sociais e eu, como de hábito, fui o primeiro a usar dela.

A reflexão particular, realizada durante os momentos que antecederam expressá-la publicamente, estimulada pelo clima de comoção e fervor ali presentes, gerou em mim uma sensibilidade que se foi aprimorando durante as festas de fim-de-ano, tão propícias a tal fim, a despeito da mercantilização de valores cristãos e pseudocristãos.

O problema da transposição, como todos nossos grandes obstáculos ao atendimento das reais necessidades dos despossuídos, que formam a maioria de nosso povo, esbarra-se numa questão fundamental, de fundo, que permeia, de tal forma, nosso cenário, a ponto de poucos a perceberem nitidamente.

Jesus Cristo pregou que os ricos devem dividir seus bens com os mais pobres, prática comum entre os verdadeiros seguidores do mestre:


Lucas 12:33: Vendei o que tendes, e dai esmolas. Fazei para vós bolsas que não se envelheçam; tesouro nos céus que nunca acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói.
Atos 2:44 a 45: E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens, e repartiam com todos, segundo cada um havia de mister.

Sob a inspiração de Max Weber, em "A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo", podemos perceber o propõsito de maximizar as contribuições para missões evangélicas, através de aplicações em empreendimentos que pudessem perpetuar tais atividades, ao invés de destiná-las diretamente para tal propósito.

Assim, a administração daqueles bens materiais passou a ter um caráter divino, religiosamente organizado, permitindo o surgimento do capitalismo, em sua versão mais elaborada e moderna. Isto também graças à veia estóica e anglo-saxã dos povos oriundos de países mais frios, onde a neve obriga o uso da razão, da disciplina, frugalidade, parcimônia, planejamento, previdência e amor ao trabalho, habilidades naturalmente menos cotadas nos trópicos hedonistas e latinos, mais sentimentais, emocionais e passionais.

Lucas 16:13: Nenhum servo pode servir dois senhores; porque, ou há de odiar um e amar o outro, ou se há de chegar a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom.

Com o tempo, o lucro, voltado para fins filantrópicos e espirituais foi sendo engolido pelos interesses materialistas e egoístas, tão naturais nos fariseus hipócritas, quanto nos ateus imorais. Tanto na neve, quanto no calor dos trópicos. Em síntese, o capitalismo faz exatamente o contrário do que o cristianismo prega. O mesmo ocorre nas maiores religiões que alegam propagar a doutrina de Jesus Cristo. Idem para os partidos formalmente socialistas quando se aproximam do poder, em relação aos seus princípios fundamentais...

O espírito do capitalismo, outrora fruto da ética protestante, tornou-se um instrumento dos homens maus e inescrupulosos. Assim, ao invés de pregarem a verdade que liberta almas cativas do materialismo, ficaram, eles próprios, idólatras das riquezas. Passaram também a escravizar bélica e economicamente ao seu próximo, de forma ainda mais sofisticada do que nunca, em função do desenvolvimento tecnológico.

As grandes corporações adquiriram, nos EUA, os mesmos direitos de um ser humano, mas agem como verdadeiras bestas sanguinárias, praticando o terrorismo militar e financeiro pelo mundo à fora, para assegurar seu lucro a qualquer preço, bem como o controle de governos nacionais, inclusive o prõprio estadunidense. [ www.ratical.org/corporations ]

A escravização das mentes mais fracas que compõem a grande maioria da população, através do controle dos grandes meios de comunicação, foi um fato relevante para o que a construção do que se prenuncia como sendo o fim da História.

Aliados aos judeus, os estadunidenses crucificaram o ideal cristão dos puritanos que fundaram sua nação e o submeteram a tudo que antes condenavam, assaltando outros países, em nome de Deus, para garantir sua fartura e segurança, graças à miséria e morte alheia.

O capitalismo é movida a egoísmo, vaidade e crueldade. De sistema econômico, tornou-se um sistema político, privatizando os estados nacionais. Assassinou a semente da República em seu nascedouro. Impôs-nos o precioso nome da democracia para as práticas mais autoritárias, oligárquicas e totalitárias, como se não fosse uma plutocracia, cleptocracia, corporocracia e ditadura do poder econômico. Tornou-se, finalmente, uma religião satânica, demoníaca e diabólica!

O capitalismo demonstrou sua incapacidade de distribuir a riqueza, preconizada tanto por Jesus Cristo, quando por Karl Marx, o qual elogiava sua eficácia ao produzi-la, em seu Manifesto Comunista:

"[A burguesia] foi a primeira a mostrar o que pode realizar a atividade humana: criou maravilhas maiores que as pirâmides do Egito, os aquedutos romanos, as catedrais góticas. (...) A burguesia, durante seu domínio de classe, apenas secular, criou forças produtivas mais numerosas e mais colossais que todas as gerações passadas em conjunto. A subjugação das forças da natureza, as máquinas, a aplicação da química à indústria e à agricultura, a navegação a vapor, as estradas de ferro, o telégrafo elétrico, a exploração de continentes inteiros, a canalização dos rios, populações inteiras brotando na terra como por encanto - que século anterior teria suspeitado que semelhantes forças produtivas estivessem adormecidas no seio do trabalho social?" [ http://www2.fpa.org.br/portal/modules/news/article.php?storyid=2491 ]

Assim, este outro judeu nos deixou uma proposta, apontando na mesma direção que o fundador do cristianismo, quase 2.000 anos antes:

"Horrorizai-vos porque queremos abolir a propriedade privada. Mas em vossa sociedade a propriedade privada está abolida para nove décimos de seus membros. E é precisamente porque não existe para estes nove décimos que ela existe para vós. Acusai-nos, portanto, de querer abolir uma forma de propriedade que só pode existir com a condição de privar de toda propriedade, a imensa maioria da sociedade. Em resumo, acusai-nos de querer abolir vossa propriedade. De fato, é isso que queremos."
(Manifesto do Partido Comunista - Karl Marx e Friedrich Engels)

Na contra-mão de um processo tido como a fase terminal da História, uma minoria, parte da qual reunida ali, no centro de BH, dentro de um propósito ecumênico e eclético, considera a vida superior à propriedade e o interesse das pessoas, superior ao das empresas que elas criaram à sua imagem e semelhança.

Gradualmente, a incompatibilidade entre os direitos financeiros do capital e os direitos humanos dos trabalhadores vai sendo percebida.

Em paralelo, vai também surgindo a certeza de que somente seres humanos melhores produzirão uma sociedade melhor, mais fraterna e igualitária, onde o interesse dos mais pobres não seja prejudicado pela ganância dos mais ricos, caso nos esforcemos o suficiente para promover o desaparecimento destas duas classes extremas, através de uma justa distribuição da riqueza.

Outros, descobrem que a única revolução possível somente pode ocorrer dentro de cada um de nós! Assim, raros são os que ainda defendem o assassinato de uma classe como solução para os problemas por ela provocados em outra.

Torçamos para que a missão destes poucos manifestantes e de nossos irmãos no Brasil e no mundo inteiro, como a daqueles primeiros doze apóstolos, possa ser multiplicada. E que, vindo a ser forte, não incorpore a fraqueza e a deturpação daqueles que se dizem cristãos e não o são. E nem daqueles que se dizem ateus éticos, mas também se enganam...

ABAIXO A DEMONIOCRACIA DO CAPETALISMO!

Fiz uma comparação entre o maior país católico e o maior país protestante da face da terra, encontrando enorme dificuldade em concluir qual é o pior, em http://br.geocities.com/heitorreis2000/carater.htm

Assista ao filme "A Corporação". [ http://www.zetafilmes.com.br/criticas/acorporacao.asp?pag=acorporacao ]. E não deixe de ler "Socialismo, uma Utopia Cristã", de Luiz Francisco de Souza, Procurador da República do DF. [ http://www.midiaindependente.org/pt/red/2004/02/273940.shtml ].

(*) Heitor Reis é engenheiro civil, militante do movimento pela democratização da comunicação e membro do Conselho Consultor da CMQV - Câmara Multidisciplinar de Qualidade de Vida ( www.cmqv.org). Nenhum direito autoral reservado: Esquerdos autorais ("Copyleft"). Contatos: (31) 3486 6286 - heitorreis@fr.fm

Um comentário:

  1. MArcando presença !!! flw doido !!!!

    walisson ferreira !

    ResponderExcluir